sexta-feira, 12 de outubro de 2007

"Costumo esquecer que tenho um rosto.

Acabo sempre me surpreendendo.


É que às vezes estou contente e me sinto sublime como a mais alheia das pessoas, quando eu vejo o reflexo de uma figura distorcida na minha frente. Tudo desmorona, desmorona nem sei porquê.

Outras, na minha tristeza mais muxoxa e no vazio dessa vida sem sentido, eu acabo por achar que os meus olhos grandes e quietos não poderiam estar em outro rosto que não aquele, em harmonia com o resto - que não é nada além de 'resto'.
Acho que a tristeza me seduz."

Um comentário:

guilherme disse...

não sei comentar nada. linda a foto.